terça-feira, maio 18, 2010

A derrota que dói

Jorge Jesus construiu mesmo o melhor Benfica em mais de 20 anos, com vantagem estatística em todos os itens da Liga Sagres (por exemplo, mais 30 golos marcados que o Sporting de Braga). Luís Filipe Vieira bem pode aplicar todo o engenho em segurar o treinador, que foi de Jesus o toque de Midas que transformou vermelho em ouro. E esta foi mais que uma vitória para o Benfica, foi mesmo "a" vitória. Porque categórica, ao contrário da de Trapattoni em que houve essencialmente demérito da concorrência, mas também porque indispensável ao projeto de Vieira que tão questionado era no quente momento pré-eleitoral do ano passado. Internamente, a oposição apagou-se ao ver o Benfica vencer (vencer), Rui Costa está regenerado e Vieira surge como o homem que acabou por ter razão. No futebol só se tem razão quando se ganha.

Por isso ninguém tem razão no Sporting e no Porto este ano. E a análise do fracasso dos rivais tem de ser indexada, a meu ver em primeira lugar, ao sucesso do Benfica. O Sporting, com uma estrutura mais frágil e um plantel de inferiores soluções, foi o primeiro a sofrer com o arranque fulgurante do rival de sempre. Paulo Bento admitiu-o na hora da saída. Carlos Carvalhal sofreu com isso e nem a grande dignidade demonstrada impediu uma desvantagem histórica de 28 pontos.

O FC Porto demorou a acreditar que este Benfica era diferente. O estado de negação foi evidente e foi fatal. Notou-se no discurso dos jogadores (que diziam não ver os jogos do rival), dos principais comentadores clubistas (que vaticinaram durante largos meses a queda da equipa de Jesus) e até de Pinto da Costa (que identificou o Braga como grande adversário do Porto). Foi uma sucessão de erros de quem estava habituado a ter razão no fim. Até Jesualdo Ferreira, quando disse que este ano lhe ia dar mais gozo ganhar, alinhou nessa presunção resultante do hábito de que acabaria por ganhar. Que de facto, no futebol, só se tem razão quando se ganha. Quem ganha festeja e quem perda justifica e este ano inverteram-se os papéis. Precisamente no ano em que o Benfica tinha gasto a última reserva dos seus imaginativos financiamentos (com o fundo de jogadores). É isso que mais deve doer a Pinto da Costa. Sentir que falhou a estocada final no adversário de uma vida. Sem esta vitória o Benfica de Vieira poderia estar moribundo. Com ela está forte como nunca.

P.S. Carlos Queiroz escolheu todos os jogadores essenciais - dos que dei aqui como certos não falhei nenhum - mas cometeu erros (Daniel Fernandes é flagrante) nas opções alternativas. Afinal, um pouco como noutros tempos, Quim e Carlos Martins - que deviam estar nos eleitos e nem nos 6 suplentes surgem - estavam mesmo riscados à partida, e o mérito teve menos peso que o anunciado. É o que diz o esquecimento dos dois citados mas também de Daniel Carriço, Ruben Amorim ou Nuno Assis.
Por Carlos Daniel in Record

4 comentários:

Manuel Oliveira disse...

Boa crónica sem dúvida. Como deve ter doído ao PC, por todos os motivos e mais um!
Abraço.

O Nosso Futebol disse...

Parabéns pelo blog está muito bom.

Acompanha também:
http://onossofuteb0l.blogspot.com

Saudações desportivas

Jotas disse...

Li essa crónica e esta belissima

Lopes disse...

Gostava que pudesses comentar o "meu" plantel para a próxima temporada do Glorioso, ajudando-me assim a fazer esta analise da melhor forma.

Vou começar também a incluir no meu blog alguns jogadores que acho que têm condições de ajudar a equipa na temporada 2010/11!

Visita:
http://o-amendoim.blogspot.com/

Dá a tua opinião sff!!

Abraço,

Lopes